Artigos e Estudos

Corporate Governance e Corporate Social Responsability

A corporate governance preocupa-se em obter um balanço entre os objectivos económicos e socias e entre os objectivos individuais e da sociedade.

20050209 CorpGovCorpSocial2Prof. Michael Hopkins

"A corporate governance preocupa-se em obter um balanço entre os objectivos económicos e socias e entre os objectivos individuais e da sociedade. A matriz da corporate governance existe para encorajar o uso eficiente de recursos e igualmente para exigir a responsabilização pelo modo como esses recursos são usados. O objectivo é alinhar o mais próximo possível os interesses dos indivíduos, das corporações e da sociedade". (Sir Adrian Cadbury, ‘Global Corporate Governance Forum’, Banco Mundial, 2000)

“A corporate social responsibility preocupa-se em tratar os vários stakeholders da empresa de um modo ético e responsável.” (Michael Hopkins, Im))pactus, Abril 2004)

Introdução

Um exame pormenorizado destas duas definições mostra a existência de pouca diferenciação entre os conceitos. A excepção maior é que o conceito de corporate social responsibility é explícito na sua definição de stakeholders. Inclui todos os stakeholders – os externos, ligados às questões ambientais, aos investidores, aos fornecedores, aos meios de comunicação, às comunidades, ao Governo; e os internos tais como empregados, os gestores e o conselho de administração. No entanto, uma interpretação liberal da afirmação de Cadbury’s pode também apontar para uma inserção de todos os stakeholders. Assim, a principal diferença reside no que se tem vindo a praticar efectivamente.

A corporate governance tem tido a tendência em se focar na gestão corrente da empresa em relação a quem constitui os conselhos de administração, em que responsabilidades têm e no papel dos directores não executivos. Mais recentemente e devido a preocupações do foro público, principalmente na Europa, o assunto dos salários dos trabalhadores e dos pagamentos dos directores executivos tem tido uma vasta discussão.

O progresso recente ao nível da CSR, testemunhado pelo número crescente de empresas a publicarem relatórios de sustentabilidade, tem mostrado que, nestas publicações, todos os aspectos da empresa são, ou deveriam ser, contemplados. Curiosamente, as áreas tradicionais de gestão de uma empresa e aquelas contempladas pela corporate governance são raramente referidas nos relatórios de sustentabilidade. Assim e apesar da diferenciação das definições ser pouca, na prática vemos o surgimento de duas áreas distintas de análise e de cobertura ao nível da empresa.

A base para a maioria dos trabalhos internacionais, por exemplo, o trabalho do Banco Mundial.1

»» “Princípios da corporate governance” da OCDE que cobrem os direitos dos stakeholders, o tratamento equitativo dos accionistas, o papel dos stakeholders na corporate governance, a divulgação, a transparência e a responsabilidade do conselho de administração;

»» Princípios da Commonwealth Association for corporate governance (CACG) dirigidos a 56 países pertencente ao Commonwealth;

»» Princípios da International Corporate Governance Network (ICGN).

O Banco Mundial realça no entanto, que não existe um modelo único de corporate governance, verificando-se sim a existência de diferentes sistemas entre países, sectores e mesmo dentro de cada corporação ao longo do tempo. Dos sistemas mais proeminentes destacamos os modelos dos Estados Unidos da América e do Reino Unido, que se focam em controlos dispersos; e os modelos provenientes da Alemanha e do Japão que reflectem uma atribuição de responsabilidade mais centrada nos donos da organização.

Tal como já foi referido, a corporate social responsibility preocupa-se em tratar os vários stakeholders da empresa de um modo ético e responsável. Os stakeholders existem quer dentro da empresa quer fora dela. Consequentemente, um comportamento socialmente responsável irá aumentar o desenvolvimento humano dos stakeholders, dentro e fora da organização.

Esta definição2é muito mais abrangente do que a definição de stakeholder usada atéà data quer pela OCDE quer pelo Banco Mundial. Por exemplo, os princípios da OCDE implicam que um dos principais papéis dos stakeholders esteja associado à preocupação de assegurar a circulação de capital externo para empresas e que os stakeholders estejam protegidos por lei e que tenham acesso à informação. Por outro lado, o Banco Mundial ficou intrigado quando em Junho de 2000 um estudo da McKinsey “Investor Opinion Survey3” pôs em evidência que os investidores dão tanta importância à corporate governance ao nível da administração como à performance financeira, aquando na escolha de activos a investir. Do mesmo modo, esse estudo indicou que, na América Latina, Europa, Estados Unidos da América e Ásia, mais de 80% dos entrevistados, estariam disponíveis para pagar mais por empresas com boas práticas de corporate governance.

Má corporate governance foi definida, pela McKinsey no estudo já referido, como:

»» Existência de uma minoria de directores externos;

»» Existência de ligações entre os directores externos e os gestores;

»» Os directores detêm poucas ou nenhumas acções;

»» Os directores são apenas compensados em dinheiro;

»» Não existência de um processo formal de avaliação do director;

»» Dificuldade em conceder respostas às perguntas colocadas pelos investidores ao nível da corporate governance;

Boa corporate governance foi definida pela McKinsey como:

»» A maioria dos directores são externos;

»» Os directores externos são verdadeiramente independentes, sem qualquer tipo de ligação à gestão existente;

»» Os directores detêm uma quantidade significante de acções;

»» Uma grande parte dos pagamentos realizados aos directores são feitos na forma de acções ou options;

»» Existência de um processo formal de avaliação dos directores;

»» Facilidade e rapidez nas respostas a pedidos de informação associados à corporate governance.

Dado que este foi o modelo criado pela McKinsey e que esteve na base das perguntas restritas colocadas no estudo, não é surpreendente que 80% dos entrevistados estivessem dispostos a pagar mais por uma empresa com boas práticas. Mas a questão é que, a “boa corporate governance”, tem uma ligação muito fraca com os princípios da OCDE e ainda mais frágil quando comparada com o conceito de corporate social responsibilty.

Dadas as limitações referidas anteriormente, alguns observadores criaram uma definição de corporate governance muito mais abrangente, onde a definição de stakeholder é mais global do que a dada pela OCDE. Por exemplo, Judge Mervyn King tem utilizado um conceito mais completo de corporate governance nos seus dois relatórios (King Report), um para o Governo da África do Sul e outro para as organizações empresariais. Esta abordagem foi também seguida quando Mervyn King presidiu o Commonwealth Group que pretendia desenvolver as boas práticas de negócio a serem implementadaa pelos vários países do Commonwealth. A figura que se mostra de seguida esquematiza os tópicos considerados no seu relatório e na sua abordagem. Pode assim constatar-se, no âmbito do conceito de corporate governance, a ênfase dada a um leque mais vasto de stakeholders, o que ainda não se tinha verificado no passado.

20050209 CorpGovCorpSocialA utilização deste esquema teve a permissão de Mervyn King da King Commission, África do Sul

Conclusão

A noção de corporate governance assenta bem nas preocupações correntes na estrutura de gestão ao nível de topo das organizações e tem vindo a sofrer mudanças positivas na sua definição graças ao trabalho do Banco Mundial e da OCDE, mas não incluiu no entanto as preocupações básicas da corporate social responsibility. Por outro lado, o conceito de corporate social responsibility não tem avançado tanto quanto a escola da corporate governance, com os seus princípios de base acordados. Existe uma luz ao fundo do horizonte graças ao trabalho de King e outros e também à definição de Cadbury, em que se lê que o objectivo da corporate governance é o de alinhar o melhor possível os interesses dos indivíduos, das organizações e da sociedade.

1www.gcgF.org

2 Para uma definição mais elaborada do autor, consulte: www.mhcintertnational.com/glossary.htm

3http://www.gcgf.org/docs/72CGBrochure.PDF

© Fonte: Revista Impactus N.1 (www.impactus.org)


Instituto Português de Corporate Governance

Associação de direito privado, sem fins lucrativos

 

Instituto Português de Corporate Governance

 

Morada

Edifício Victoria

Av. da Liberdade, n.º 196, 6º andar

1250-147 Lisboa

Portugal

Informações

Tel./Fax: (+351) 21 317 40 09

Outros Contactos: Formulário Online

Skype: ipcg.portugal

Período de Funcionamento

Horário

10h00 - 13h00

14h00 - 18h00

Encerrado

Fins-de-semana e feriados